Guia Óleo

guia oleoO Guia de gastronomia de Buenos Aires, Completíssimo. São paulo precisa de um desses.

Anúncios

Projeto Seis e Meia

projeto seis e meia

Os moradores dos bairros paulistanos da Barra Funda, Bom Retiro e Santa Cecília, convivem diariamente com a decadência dos edifícios, a poluição visual e as calçadas maltratadas. Acostumados a sempre olhar pra baixo para não tropeçar nos obstáculos criados pelo descaso, estes pedestres, há cerca de um ano e meio, passaram a notar também o trabalho dos grafiteiros Delafuente, 25 e SAO, 25, artistas moradores da Barra Funda que resolveram chamar a atenção para o destrato das vias públicas com pinturas em bueiros, postes, grades e tampas de ferro, em projeto batizado de 6 e Meia. “O nome é uma referência aos ponteiros do relógio, que nesse horário, apontam juntos para baixo, e o que queremos é isso, que as pessoas olhem para o chão”, explica Delafuente, que grafita com seu parceiro SAO desde a época do colégio. Os trabalhos dos artistas, que já passam dos 50, são constantemente apagados pela manutenção da prefeitura, que de tempos em tempos pinta o meio-fio e os bueiros da região. “Mas muitos locais só foram recuperados depois que fizemos os grafites, eles passaram muitos anos abandonados e só foram notados depois das pinturas”, diz Delafuente, engrossando o protesto de muitos grafiteiros de São Paulo contra a política de “limpeza seletiva” da atual administração paulistana.
Segundo o artista, “temos um grande projeto para grafitar uma rua inteira que está degradada, transformando seus elementos urbanos em bichos, árvores e plantas grafitadas, mas isso esbarra em uma burocracia tremenda dos órgãos públicos. É uma pena, pois São Paulo é um caos, e as pessoas acabam sendo modificadas pelo trânsito, stress e a poluição. Se ela faz isso com seus moradores, por que não podemos também modificar a cidade?”  

projeto seis e meia

 

ROCKERS – By Supla

supla

Supla montou uma exposição fotográfica com fotos de vários ícones do Rock mundial. Vale a pena conferir na FAAP.

Uol – Começa na quarta-feira (16), no Museu de Arte Brasileira da FAAP, a exposição “Rockers”. O evento traz 270 imagens de ícones do rock feitas pelo célebre fotógrafo norte-americano Bob Gruen, dos anos 60 aos tempos atuais. A mostra vai até o dia 1º de julho.


Sob a curadoria do cantor Supla, a mostra será dividida em nove segmentos temáticos. Entre os quais, “Wall”, com fotos variadas de artistas de diversas épocas, como Tina Turner, Rolling Stones, Kiss e outros; “Camarim”, com cenas de bastidores; “Quarto de adolescente”, simulando, como o nome indica, um quarto de adolescente com pôsteres, fotos e revistas; “Sala John Lennon”, com imagens do ex-Beatle, e “Sala Punk”, abordando grandes nomes do estilo, como Patti Smith, Dead Boys, Devo e Ramones.

Entre os trabalhos do fotógrafo, Supla destaca imagens como a de Sid Vicious se lambuzando com um cachorro quente e Mick Jagger ao lado de seu “clone”, o vocalista dos New York Dolls, David Johansen, além da clássica série com John Lennon e Yoko Ono em Nova York.

Nascido em 1946, Bob Gruen é um dos mais importantes fotógrafos de rock de todos os tempos. Logo em seu primeiro trabalho musical fotografou um dos momentos mais importantes da história da música pop: a lendária apresentação de Bob Dylan no Newport Folk Festival, em 1965, em que o músico apareceu com uma banda elétrica pela primeira vez, para revolta dos fãs puristas. De lá para cá, praticamente todo mundo que foi digno de nota na história do rock and roll foi registrado por suas lentes.

Nos anos 70, se tornou amigo pessoal de John Lennon e Yoko Ono, adquirindo acesso à intimidade do casal como nenhum outro fotógrafo. Enquanto isso, registrava na noite de Nova York o embrião do punk e da new wave desde 1971, em casas noturnas como Max´s Kansas City e CBGB´s. São suas algumas das primeiras fotos conhecidas de bandas como os New York Dolls, Ramones e Blondie.

Bob Gruen também clicava para revistas como “Rock Scene”, “Creem” e “Rolling Stone” os maiores nomes da época em ação. De Bob Dylan e Ike & Tina Turner a Led Zeppelin e os Rolling Stones, todos foram fotografados por Gruen no auge de suas carreiras. Tudo isso enquanto construía relacionamentos duradouros com os artistas, conseguindo assim registrar momentos íntimos dos quais poucos colegas poderiam se gabar.